Curriculo Luiz Otávio

Enfrentamento ao Racismo Institucional


Home
Produção Cultura Negra
Legado
Projeto Quintino
Parceiros
Universidades e Guias
Blog do Luiz Otávio

Produtor de Cultura Negra 

Luiz Otávio de Brito, motivado pela iniciativa de J. MUNIZ JÚNIOR, escritor, jornalista e pesquisador da Comunidade Negra e Comunidade do Samba, que iniciou em Santos o movimento de fazer samba o ano todo, criando sessões de samba semanais, realizadas, a partir de 1963, no antigo terreiro da legendária Tia Inês (Escola de Samba X-9), denominado Quartel General do Samba, instalado na rua Almirante Tamandaré nº 94, Bacia do Macuco.

Sendo que iniciativa tinha como objetivo seguir a determinação da Carta do Samba, esforço por coordenar medidas praticas e de fácil execução para preservar as características tradicionais do Samba sem negar ou tirar a espontaneidade e perspectiva de progresso,  documento definido e redigido no I Congresso Nacional do Samba, realizado no Palácio Pedro Ernesto, Rio de Janeiro em 28 de novembro de 1962, pelo Ministério da Educação e Cultura.

Independente de exercer cargo ou função pública, Luiz Otávio de Brito, sempre orientado pelos livros de J. MUNIZ JR., passou a dar atenção para estabelecer a Convivência Comunitária do Samba Santista no processo Político, Econômico, Social e Cultural.

Desenvolvimento da Manifestação e Difusão da Cultura do Samba, foi a forma encontrada participando em várias outras Convivências Comunitárias, onde atuou como presidente e Carnavalesco do Bloco dos Farrapos, (Bairro Ponta da Praia).

Desfilou na ala da bateria da Escola de Samba X-9 tocando cuíca, onde também atuou como relações Publica.

Foi diretor do Flórida F.C. (Futebol de Várzea (No clube organizava o Batuque do Brandão que acompanhava o time).

Participou como organizador de eventos do Bloco Dragões da Várzea desfilava na Dorotéia, no qual criou o primeiro grupo de pagode de Santos, Grupo Coisa e Tal composto por Sambistas da Escola de Samba X-9.

Participou também da fundação das seguintes entidades:

 

  •   União das Escolas de Samba da Baixada Santista UESBAS, atuou como diretor;

  •  Liga Independente das Escolas de Samba;

  •   Ordem dos Sambistas da Velha Guarda de Santos;

  •   Casa da Angola.

 

 Em 1976, recebeu o titulo Lord do Samba, na quadra da Escola de Samba X-9, batizado por J. Muniz e Waldemar Esteves da Cunha.

Colaborou com a Escola de Samba Favoritas do Sultão e participou também na organização do Bloco Cacique do Macuco que desfilava na Dorotéia.

Componente da ala da Bateria da Escola de Samba X-9 e participante na comemoração do Dia do Samba desde quando iniciou, em 1963, com a experiência obtida pela participação em varias comunidades, passou a mobilizar a Comunidade do Samba, incentivando para oficialização de espaços próprios, para implantar o Desenvolvimento Econômico, Ciências e Tecnologia, com fins de facultar o desenvolvimento Físico, Mental, Moral, Espiritual e Social das Crianças, Adolescentes, Jovens e Idosos da Comunidade do Samba em condições de liberdade.

Inicial a oficialização do Dia do Samba, que a 22 anos era realizado na cidade e não era ainda oficializado e que praticamente, estava sendo extinguido pela falta de motivação da Convivência Comunitária porque não havia o apoio do Poder Público.

Levado ao conhecimento dos vereadores o apoio foi do vereador Adelino Pedro Rodrigues, que levou a proposta ao conhecimento do Plenário da Câmara Municipal de Santos, para instituir o Dia Municipal do Samba, aprovada por unanimidade em21 de novembro de 1983.

Para dar ênfase, Luiz Otávio de Brito sempre juntos com a Comunidade do Samba, solicitou ao prefeito Paulo Gomes Barbosa, para abrir as portas do Salão Nobre do Palácio José Bonifacio e permitir o comparecimento da comunidade para assistir o prefeito sancionar a lei.

O prefeito Paulo Gomes Barbosa concordou e definiu a data para assinar como solicitado, dia 2 de dezembro de 1983, promulgando a Lei Municipal Nº 4.481/83, instituindo o Dia Municipal do Samba, com a presença da Comunidade do Samba que lotou o Salão Nobre Dr Esmeraldo Tarquinio de Campos Filho.

Após a Lei Municipal nº 4.581/83, ser promulgada pelo prefeito, na mesma oportunidade, Luiz Otávio de Brito, aproveitando a experiência que adquiriu na fase de articulação, foi preparado para fundar Associação de Defesa e Divulgação da Comunidade Negra e Comunidade do Samba - Clube do Samba – ADICLUSA e dar inicio ao Projeto Quintino de Lacerda, tornando o desenvolvimento de seus esforços  atividade profissional Produção de Cultura Negra, para integração dos diferentes Autores.

No ano de 2013, Clube do Samba, completou 30 anos ininterruptos de atuação.

Fizeram parte além das centenas de Sambistas que compareceram no ato, o Bacharel do Samba Drauzio da Cruz, que atuou como orador, Rei momo Waldemar Esteves da Cunha, mais as seguintes agremiações do Samba que se fizeram representar:

 

  •   Unidos dos Morros;

  •   Império do Samba;

  •   Padre Paulo;

  •   União Imperial;

  •   Zona Noroeste;

  •   Unidos do Castelo Branco – (cidade de Marília);

  •   La Vai Aço;

  •   Clube Santa Cecília;

  •   Escola de Samba Brasil;

  •   Bola Alvinegra;

  •   Mocidade Amazonense.

 

O propósito de implantar o Desenvolvimento Econômico, Ciências e Tecnologia da Convivência Comunitária do Samba Santista, ou seja, a integração da Comunidade do Samba no processo Político, Econômico, Social e Cultural do município de Santos, consta também como iniciativa da Comunidade do Samba de Santos os feitos do Dr Esmeraldo Tarquinio de Campos Filho, que aprovou na Câmara Municipal de Santos, a Lei Municipal nº 2.427/61, a qual dispõe sobre estudo para construção do monumento em homenagem a Quintino de Lacerda e a Lei Municipal nº 2.557/62, a qual institui o Dia Municipal de Quintino de Lacerda, porque não vinha sendo colocado em pratica no município desde quando foi oficializado e a orientação para integrar foi da historiadora de Santos Wilma Therezinha Fernandes de Andrade.

Sobre a vida de Quintino de Lacerda foi gravado TCC pela 8ª turma de Radio e TV da UNIMONTE, no qual consta que os Sambistas de Santos usam a história de Quintino de Lacerda com fins continuação do legado visando implementação do Projeto Social a favor da Comunidade do Samba.

Portando, reviver na memória do Povo Santista a participação de Quintino de Lacerda, contribuição em valorização da história da cidade, aconteceu por iniciativa da mobilização dos Sambistas, coordenada por Luiz Otávio de Brito.

O primeiro reconhecimento dos esforços realizados, tem a chancela da Câmara Municipal de Santos, antes de completar um ano de atuação, comunicação data 29 de outubro de 1984.

Seguindo a mobilização tendo como representação o Clube do Samba, consta incluído também, o apoio prestado pelo prefeito Osvaldo Justo, que participou junto com o Dr Esmeraldo Tarquinio de Campos Filho, na comissão que definu instituir a lei para construção do monumento em homenagem a Quintino de Lacerda e oficialização do Dia Municipal de Quintino de Lacerda (1962).

O Prefeito Osvaldo Justo, em sua gestão 84/88, se comprometeu e contribuiu de forma expressiva em relação ampliação dos espaços oficial institucionalizados especificamente para manifestação e difusão da Cultura do Samba, colaboração que prestou por admirar a mobilização incentivada por Luiz Otávio de Brito, tornado Patrono do Clube do Samba.

Com a colaboração espontânea do Prefeito Osvaldo Justo, em 1988, à Comunidade do Samba, já possuía institucionalizado espaços suficiente para colocar em pratica o Desenvolvimento Econômico, Ciências e Tecnologia os quais são:

 

  •     Lei Municipal nº 49/85 Semana Municipal da Consciência Negra;

  •    Lei Municipal nº 278/85 a qual instituiu o Conselho Oficial do Samba;

  •   Lei Municipal nº 638/88 a qual instituiu a construção do Palácio do Samba e espaço para os integrantes históricos da Comunidade no dia do desfile das Escolas de Samba.

 

O Prefeito Osvaldo Justo, também determinou a elaboração da planta e reservou local para construção do Palácio do Samba na Zona Noroeste.

A participação dos músicos Santistas na gravação do L.P. das Escolas de Samba de Santos, financiando pelo poder público, foi mais uma importante conquista para a comunidade, pois, anteriormente gravavam com o dinheiro público mas o músicos eram de fora de nossa cidade.

Luiz Otávio de Brito participou também do movimento que criou o Conselho Municipal de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra de Santos.

Em 2010, Luiz Otávio de Brito foi consagrado Cabo do Samba.

As manifestações de reconhecimento pela manifestação e difusão da Cultura Negra incentivada por Luiz Otávio de Brito, além da Medalha Quintino de Lacerda outorgada pela Câmara Municipal de Santos (1993), por iniciativa do vereador na época Paulo Gomes Barbosa, possui mais as seguintes:

 

  •   Associação Desportiva dos Estivadores de Santos, em 13 de maio de 1988;

  •  Membros da Comunidade Grupo Família, em 2 de dezembro de 1990;

  •   Secretaria Municipal de Assistência Social de Santos (2009).

 

O pedido fortalecendo para continuação dos trabalhos que Luiz Otávio de Brito desenvolve visando eliminar a discriminação racial na cidade, foi aprovado pela  Câmara Municipal de Santos, para que também incluisse a participação da Secretaria Municipal da Educação, porque Luiz Otávio de Brito, passou atuar no Conselho Municipal de Defesa do Patrimônio Histórico de Santos – CONDEPASA, nomeado conselheiro, no qual conseguiu também, atenção dos membros do Órgão Técnico de Apoio integrado pelo arquiteto Eber Gois e historiador Marcos Atanasio Braga, que realizaram a demarcação no mapa histórico, local onde existiu o Quilombo do Jabaquara e consequentemente o acompanhamento do Projeto Quintino de Lacerda pela Comissão Permanente de Educação e Cultura, aprovado pelo Plenário da Câmara Municipal de Santos.

Os trabalhos desenvolvidos por Luiz Otávio de Brito, foram comunicados as Escolas de Samba de Santos para acompanhamento como consta nos anexos.

A participação no Seminário Nacional de Estudos de História e Cultura Afro-Brasileira consagrou a Comunidade do Samba de Santos condições de Comunidade Tradicional por dar continuidade ao legado.

Entre Cursos, Conselhos Municipais, Seminários e Congressos são destacadas as seguintes participações:

 

  •  Participação nas reuniões da madrugada realizadas pelo Prefeito Municipal de Santos, 1987;

  •  I Encontro do Movimento Negro no Brasil e passeata realizada em São Paulo no Centenário da Abolição da Escravidão 1988;

  •  Curso Ritual e Música da Cultura Afro-brasileira, realizado pelo Centro de Atividades e Extensão da Universidade Católica de Santos 1988;

  •  I Encontro das Escolas de Samba do Brasil, realizado em São Paulo na Assembléia Legislativa do Estado, pela Federação das Escolas de Samba do Estado de São Paulo, 1989;

  •  II Encontro das Escolas de Samba, realizado em Santos no Colégio Escolástica Rosa, pela Federação das Escolas de Samba do Estado de São Paulo, 1990.

  •  VII Encontro das Escolas de Samba, realizado em Santos no Sindicato dos Rodoviário, pela Federação das Escolas de Samba do Estado de São Paulo, 1997;

  •  Conferência Metropolitana da Cidadania, realizada pelo Fórum da Cidadania, 2003;

  •  Encontro de Educação em Valores Humanos e Cidadania, promovido pelo Proeducar Universidade Santa Cecília, 2004;

  •  I Conferência Municipal de Promoção da Igualdade Racial, 2005;

  •  I Conferência Municipal de Segurança, 2009;

  •  VIII Conferência Municipal dos Direitos das Crianças e dos Adolescentes, 2009;

  •  VIII Conferência Municipal de Assistência Social, 2009;

  •    I Forum Metropolitano de Cultura, 2009;

  •  Participando no curso Empreendedor de Negócios realizado SENAC Santos e Aprender a Empreender realizado pelo SEBRAE, 2009; elaborou o plano de ação;

  •  Participou no TCC Vida de Quintino de Lacerda, trabalho da 8ª Turma de Rádio e TV da Universidade Monte Serrat, 2010;

  •  Curso “Direito Humanos e Mediação de Conflitos”, realizado pela Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República (2011);

  •  Participou na III Conferência Municipal e Regional da Igualdade Racial, 2013.

 

O desenvolvimento da Produção de Cultura Negra tem como orientação os seguintes feitos:

 

  • Declaração do Milênio definida pela Organizações das Nações Unidas (2000);

  • Manifesto 2000 Por uma Cultura de Paz e Não-Violência da Organização das Nações Unidas para Educações Ciências e Cultura (2000) e;

  • III Conferência Mundial Contra o Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerâncias Correlatas, realizada pela Organização das Nações Unidas (2001).

 

Somando as experiências adquiridas, atualmente Luiz Otávio de Brito, acompanha sendo parte no Projeto de Extensão Universitária realizado pela Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP - Campus da Baixada Santista, que inicialmente esta em andamento na Escola de Samba X-9, com a denominação de Projeto de Extensão Universitária - X9: MEMÓRIA, TERRITÓRIO E PRODUÇÃO DO CUIDADO.

 A fundamentação teórica tem a pretensão de criar oportunidade de ensino-aprendizagem, onde professores e alunos estão se relacionando de modo orgânico com os componentes da Escola de Samba X-9, visando potencializar a participação cotidiana dos Sambistas na gestão local e no controle das condições que podem interferir na sua saúde e da coletividade onde vivem e trabalham. Processo de identificação com o local que participam as particularidades históricas e políticas, para participação mais efetiva dos Sambistas. É, portanto, o espaço de aprendizado e produção de cuidado e cidadania, ou seja, terapia ocupacional.

Projeto de Extensão Universitária realizado pela Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP, consagra o Projeto Quintino de Lacerda a nível superior, sendo assim, Luiz Otávio de Brito já esta ministrando palestra na UNIFEST para melhor entrosamento dos alunos.

Projeto de Extensão Universitária realizado pela Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP - X9: MEMÓRIA, TERRITÓRIO E PRODUÇÃO DO CUIDADO, a equipe executora tem a participação do corpo docente como segue:

 Coordenador: Profº Dr. MAURICIO LOURENÇÃO GRACIA

Autor da Tese de Doutorado. PUC-SP, 2004. Carnavalismo: produção de alegorias existenciais.

Profª Drª SAMIRA LIMA DA COSTA

Autora da Tese de Doutorado em Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social. Os sentidos da comunidade: construções intergeracionais de memória coletiva na Ilha das Caieiras, em Vitória – ES. Rio de Janeiro, 2008. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Psicologia, 2008.

Também é de autoria da Profª Drª SAMIRA LIMA DA COSTA.  Os sentidos da comunidade: a memória de bairro e suas construções intergeracionais em estudos de comunidade. Arquivos Brasileiros de Psicologia, v. 61, n. 1, 2009. p. 60-72

Participa também como integrante do Corpo docente da Unifesp a Profª Drª ROSILDA MENDES.

Os trabalhos de Santos que coloca em termos institucional a Comunidade do Samba com a legislação mais avançada da Região e do país, com a criação por parte do Executivo Municipal de São Vicente do Plano Municipal de Promoção da Igualdade Racial (Plamupir), através da Coordenadoria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Luiz Otávio de Brito, apresentou para conhecimento do Executivo e Legislativo Municipal, que consagraram com o Troféu Zumbi, o que ofereceu o Executivo Municipal de São Vicente a oportunidade de aumentar as experiências com a participação nos seguintes eventos.

 

  •  Seminário da Educação;

  •   Painel de Debate sobre Discriminação Racial;

  •  Seminário da Saúde da População Negra.

 

Este é o currículo de Luiz Otávio de Brito que além de mostrar o tempo de participação no mundo do Samba desde 1963, expõe a habilidade na área da Produção de Cultura Negra voltada para Construção da Cidadania dos Sambistas e habilidade dentro do Samba em sintonia com a CARTA DE CONSTITUIÇÃO DE ESTRATÉGIAS EM DEFESA DA PROTEÇÃO INTEGRAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE, que em relação a Convivência Comunitária visa adotar ações concretas em defesa dos direitos da infância e da juventude a partir assinada pelo Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP),reflete os objetivos da III Conferência Nacional de Promoção da Igualdade Racial tema Democracia e Desenvolvimento Sem Racismo: por um Brasil Afirmativo que teve como preparação o Seminário Representação Política e Enfrentamento ao Racismo.

Inclui-se como parte deste currículo a participação e os propósitos do Seminário Internacional Cidadania Ativa & Transformação Urbana, realizado em novembro de 2013, também os propósitos do Guia de Implementação do Estatuto da Igualdade Racial e Guia de Enfrentamento do Racismo Institucional.

 

Luiz Otavio de Brito

 Clique na figura e veja as imagens correspondente

 

 
 

 

Home | Produção Cultura Negra | Legado | Projeto Quintino | Parceiros | Universidades e Guias | Blog do Luiz Otávio

Webmaster: Luiz Otávio de Brito

 

Início do Site 21 de março de 2000, Dia Internacional para a Eliminação da Discriminação Racial

 

Direitos da Produção de Cultura Negra, protegidos pela Lei Federal Nº 5.761 de 27 de abril de 2006 a qual trata do Programa Nacional da Cultura e Lei Federal Nº 9.610 de 19 de fevereiro de 1998 a qual trata dos Direitos Autorais no Brasil.