Decisão é 'racista', diz Marta

Enfrentamento ao Racismo Institucional


Home
Produção Cultura Negra
Legado
Projeto Quintino
Parceiros
Universidades e Guias
Blog do Luiz Otávio

Os cidadãos estão sendo convocados pelo Estado Brasileiro para ajudar no Enfrentamento do racismo institucional.

 

Face à baixa incorporação do conceito de racismo institucional
nos processos de trabalho e frente ao ainda reduzido número
de experiências prévias de estratégias para a erradicação
desse fenômeno, oferece
o Guia de Enfrentamento do Racismo Institucional como novos elementos para os interessados na construção de diagnósticos, planos de ação e indicadores que permitam o enfrentamento do Racismo Institucional e de contribuir para a criação de um ambiente favorável à formulação e implementação de políticas públicas, buscando equalizar o acesso a seus benefícios.

 

A partida da Produção de Cultura Negra para ajudar na construção do diagnóstico será o boletim nº 21 Consciência Negra 2011.

 

A possibilidade de indenização por dano moral está prevista na Constituição Federal, em seu artigo 5º, inciso V. O texto não restringe a violação à esfera individual, e mudanças históricas e legislativas têm levado a doutrina e a jurisprudência a entender que, quando são atingidos valores e interesses fundamentais de um grupo, não há como negar a essa coletividade a defesa do seu patrimônio imaterial.

 

O dano moral coletivo é a lesão na esfera moral de uma comunidade, isto é, a violação de valores coletivos, atingidos injustificadamente do ponto de vista jurídico. Essas ações podem tratar de dano ambiental (lesão ao equilíbrio ecológico, à qualidade de vida e à saúde da coletividade), desrespeito aos direitos do consumidor (por exemplo, por publicidade abusiva), danos ao patrimônio histórico e artístico, violação à honra de determinada comunidade (negra, judaica, japonesa, indígena etc.) e até fraude a licitações.

 

Se existe desconfiança ou erro em relação aos edital do Ministério da Cultura, impossível entrar no mérito o importante é que os interesse específico da Comunidade Negra, pós III Conferência Mundial Contra o Racismo, em menos de dez anos já possui como fundamento o ESTATUTO DA IGUALDADE RACIAL, esta em formação o SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL com a participação de todos os Ministérios e como pode-se notar inicia o tratamento dentro do Tribunal.

 

Temos verificado que decisão judicial muitas vezes é especifica sobre a questão mais, muitas vezes favorece milhares de pessoas porque é formada a jurisprudência.

 

A dez anos atrás não tínhamos respaldo jurídico, atualmente nem quem é quem ainda não estamos sendo permitidos se organizar para conhecer, porque no espaço que é especifico de atuação da Comunidade Negra estão escolhendo pessoas que acham como capazes ignorando o direito da representação, com o privilégio outorgado obtendo altas salários, as pessoas negras privilegiadas estão se posicionando tratando seu semelhante como escravo sem Direitos à Vida, direito que é considerado o mais fundamental dos Direitos Humanos.

 

O cidadão de cor negra, apoiado pela lei do mais forte, ocupa o espaço da Comunidade Negra, senta na cadeira pública, passa se apresentar como coordenador da igualdade racial e étnica, diz que é negro mas, sem conhecimento do que assume e se coloca como impedido para atender a demanda.

 

E tem mais, sem nunca participarem na comunidade, também tem o privilégio de serem recebidos pela Ministra da Igualdade, por deputados e políticos negros, para tirar foto ao lado deles, como estivessem promovendo um bem para a sociedade sendo que na realidade ignoram a legislação para se posicionarem como tal.

 

O procedimento não resta dúvida que se favorecem da pratica do Racismo Institucional porque o cidadão de cor negra é privilegiado não para o bem da sociedade e sim para destruir a humanidade, com agravante de poder usar indevidamente o nome e imagem da vida alheia, que obteve fundamentado no abuso do poder, não para construção do processo de igualdade e sim para ludibriar a sociedade.

 

Tenho conversado com o Secretário Municipal de Cultura Raul Christiano e verificado no Prefeito Paulo Alexandre Barbosa que não estão gostando deste procedimento mas, infelizmente a culpa não tem a outra se não responsabilizar a Prefeitura Municipal de Santos.

 

Que venha mais ações porque é o que vai formar a jurisprudência, CIÊNCIA JURÍDICA único meio de estabelecimento da Justiça e que muitos ainda não estão acreditando, mas esta vindo a paços largos.

 

A participação do negro perante a vida em sociedade não é iniciativa do Partido dos Trabalhadores que em sua gestão Federal também esta tendo o privilégio de indicar a maioria dos Ministros do STF como também, esta sendo privilegiado para dar iniciativa a participação do Negro na sociedade.

 

O Compromisso de integração da Comunidade Negra na sociedade é decisão internacional e que o Estado Brasileiro esta cumprindo e muito bem a sua parte embora tenha ocorrido a intromissão dos partidos políticos.

 

A informação OS DIREITOS DA PERSONALIDADE é do Profº Drº Artur Marques.

 

Os direitos da PERSONALIDADE são ínsitos à pessoa, em todas as suas projeções, sendo que são dotados de certas características peculiares, quais sejam:

A) são absolutos, isto é, são oponíveis contra todos (erga omnes), impondo à coletividade o dever de respeitá-los;

 

B)generalidade, os direitos da PERSONALIDADE são outorgados a todas as pessoas, pelo simples fatos de existirem;

 

C) extra patrimonialidade, os direitos da PERSONALIDADE não possuem conteúdo patrimonial direto, aferível objetivamente;

 

D) indisponibilidade, nem por vontade própria do indivíduo o DIREITO da PERSONALIDADE pode mudar de titular;

 

E) imprescritibilidade,inexiste um prazo para seu exercício, não se extinguindo pelo seu não-uso;

 

F)impenhorabilidade, os direitos da PERSONALIDADE não são passíveis de penhora; e,

 

G)vitaliciedade, os direitos da PERSONALIDADE são inatos e permanentes, acompanhando a pessoa desde seu nascimento até sua morte.

 

(O sujeito de direito é todo e qualquer ente apto a ser titular de direitos e adquirir deveres,não apenas o ser humano, mas também os determinados em lei. É necessário observar que de acordo com o direito moderno, a visão de que apenas a pessoa é sujeito de direito esta equivocada. Atualmente há o entendimento de que sujeito de direito é sinônimo de pessoa,como ente personalizado, apena a pessoa, seja natural ou jurídica poderia ser sujeito de direito.)

 

Os direitos da PERSONALIDADE , direitos personalíssimos ou direitos privados da PERSONALIDADE realçam o seu aspecto privado ou particular em contraposição ao seu aspecto público, muitos dos quais são elevados a categoria de direitos fundamentais ou garantias individuais no âmbito constitucional, tais como o DIREITO  à vida, à integridade corporal, à integridade psíquica, intelectual, honra, nome,imagem, recato, intimidade, etc, considerados, também, direitos da pessoa humana, como direitos subjetivos (facultas agendi).

 

Tais bens e valores não se limitam a coisas exteriores, porque também compreendem, e de modo mais próximo, os bens ou valores inerentes à pessoa física, como: a vida, a integridade do corpo, as liberdades, etc.

 

Com respaldo nessas premissas, conceituamos direitos privados da PERSONALIDADE como os direitos subjetivos particulares, que consistem nas prerrogativas concedidas a uma pessoa pelo sistema jurídico e assegurada pelos meios de DIREITO, para fruir e dispor, como senhor, dos atributos essências da SUA própria PERSONALIDADE, de seus aspectos, emanações prolongamentos, como fundamento natural da existência e liberdade, pela necessidade da preservação e resguardo da integridade física, psíquica, moral e intelectual do ser humano, no seu desenvolvimento.

 

Os direitos privados da PERSONALIDADE apresentam a característica de serem absolutos, irrenunciáveis, essenciais, não-pecuniários, intransmissíveis e imprescritíveis nas suas manifestações plúrimas, como atributos da própria PERSONALIDADE; não só aquilo que a pessoa tem, mas naquilo que ela é, concebendo a pessoa humana na SUA mais alta expressão, não meramente como ser racional.

 

Absolutos, não pelo fato de a pessoa ser "autônoma", mas no sentido de SUA oponibilidade erga omnes, que devem respeitar de acordo com o DIREITO posto enquanto norma.

 

Em nossa vida em sociedade o Negro passou a fazer parte, mas afinal quem é o Negro?

 

O fato é que não é somente no Ministério da Cultura que cabe a questão judicial para que seja verificado o procedimento, acontece que esta envolvido na área do negro inúmeros advogados negros, mas a Comunidade Negra não tem advogados e os advogados de cor negras estão sendo alienados e protegidos para atuarem desconsiderando a lei, procedimento que vai de encontro a Política Nacional da Educação definida pelo Ministério da Educação através do Conselho Nacional da Educação e Política Nacional da Assistência Social aprovada pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome - MDS, por intermédio da Secretaria Nacional de Assistência Social – SNAS e do Conselho Nacional de Assistência Social – CNAS.

 

Em Santos só é Negro quem a OAB-Santos aceitar, vivemos ainda sob ordens e também sob leis que o fundamento para institucionalizar o racismo é e foi o absurdo que chega ao cumulo do coordenador da igualdade racial e étnica de Santos Jorge Fernandes responder se não aceitamos para ir buscar nossos direitos. 

 

Somos obrigados aguardar providência o compromisso do Estado Brasileiro é "Democracia e Desenvolvimento sem racismo: por um Brasil Afirmativo!!!" o que não esta acontecendo em relação a promoção da igualdade na Região da Baixada Santista, neste momento importante que a OAB-Santos através do abuso do poder foi colocada como tutora dos DIREITO PUBLICO  e  DIRETO e PRIVADO da Ação Comunitária do Negros de Santos esta sendo negado pelo coordenador da igualdade racial em Santos Jorge Fernandes acesso a direitos básico, o que torna a pratica do vilipênco que somente pode responsabilizar a OAB-Santos.

 

 

Clique e conheça a íntegra no G1

Decisão que suspendeu editais para cultura negra é 'racista', diz Marta

 

A CADA DIA  E SOB TODOS OS PONTOS DE VISTA VAMOS CADA VEZ MELHOR

Comente

 

 

 

Home | Produção Cultura Negra | Legado | Projeto Quintino | Parceiros | Universidades e Guias | Blog do Luiz Otávio

Webmaster: Luiz Otávio de Brito

 

Início do Site 21 de março de 2000, Dia Internacional para a Eliminação da Discriminação Racial

 

Direitos da Produção de Cultura Negra, protegidos pela Lei Federal Nº 5.761 de 27 de abril de 2006 a qual trata do Programa Nacional da Cultura e Lei Federal Nº 9.610 de 19 de fevereiro de 1998 a qual trata dos Direitos Autorais no Brasil.